segunda-feira, maio 13, 2013

Pela Janela*



Registrei o que podia registrar;
E foi com a câmera de um celular;
Pessoas, pontes, prédios, paredes;
Todos capturados pelo meu olhar digital.
Eu, dentro de um ônibus;
Vendo a vida lá fora passar;
Decidi então daquela janela;
Fotografar coisas banais e rotineiras.
Como um ambulante-pipoqueiro;
Um idoso que espera o sinal fechar;
As mulheres que conversam entre si;
E aquelas coisas que sempre estão ali,
Todavia despercebidas, esquecidas.
Pois, temos pressa!
Corremos todo santo dia.
Mas afinal, onde queremos chegar?
Foi essa a pergunta que eu fiz;
Olhando as coisas da janela;
Vi que a rotina também é bela.
Dispus-me a vida registrar.

_______________________________________________

Acesse o link e veja as fotos:

4 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigado Alex, e seja Bem-Vindo ao Batedeira.

      Excluir
  2. Poxa.. tempos q não passava p aqui! Agora q tive a honra de ver a poesia tal como sugeri! fotografia é arte, é poesia! Sabia que seria inspiração para um belo versejar! ficou linda! parabéns!

    ResponderExcluir